Rascunhos

Entre uma folha e a outra você está bem. E no meio destas, está mal. De uma hora para a outra, tudo o que é concreto desmorona, e você volta a ser o que era antes. Só que mais forte.

______________________________________

Estava procurando uma coisa no meu caderninho de ideias e encontrei esses versos. Acho que estava pensando sobre o processo de leitura, mas acho que fiz uma analogia com relacionamentos… ou copiei de algum livro. Não sei. Mas gostei. É sempre bom ter um desses caderninhos pra rascunhar uma ideia e, depois de um tempo, se deparar com o que escreveu e ter uma surpresa.

Eu já escrevi minha história nesta cidade

Eu já escrevi minha história nesta cidade.

Vários cantos dela contam a minha vida. Como aquele bar, onde partiram meu coração, e aquele outro, onde conheci um novo amor.

O hospital em que minha tia morreu, que por coincidência fica em frente ao velório onde ficou meu avô, em um tempo que não consigo me lembrar… meu pai que me contou outro dia.

Eu já escrevi minha história nesta cidade.

Andando pela Paulista lembro de diversos momentos… risadas com amigos, com desconhecidos, noites de frio em que jurei que nunca mais passaria a madrugada na rua e outras em que tudo o que eu queria naquele momento era estar ali, na rua, com uma bebida e uma amiga ao lado. O bar em que levei tantos meninos, sempre o mesmo bar. Só não levei ele. Talvez porque ele fosse mais importante, ou, simplesmente, porque nunca tínhamos tempo para nada.

_______________________________

Achei esse texto perdido no meu email, ele é de 2009.

Um ato de coragem

Me impressiona como escrever é um ato de coragem. Nem tanto por despir quem escreve, mas por te fazer assumir a merda que pode sair de seus dedos.

Quando o texto sai bom, ótimo. Mas quando é ruim…

Ah, quando é ruim. Pior, quando é medíocre. É um espelho que destroça a alma do escritor. Mas o que se pode fazer? Uma vez que se toma a decisão de iniciar um texto, não há como voltar atrás. Você pode não publicá-lo, pode deletá-lo, mas o processo já começou e vai terminar, basta, ao escritor, encadear as ideias.

Por isso escrevo tanto sobre o ato de escrever. É fascinante. É mostrar-se ao mundo de uma forma muito íntima, de uma forma que só você conhece. Porque escrever é um ato solitário. É uma conversa sua consigo mesmo mas que deve ser traduzida para que os outros possam entender.

Escrever é para os fortes.

O sabor da noite

Quanta aposta há numa só noite?

Quanta esperança de que seja “a” noite, aquela que vai mudar sua vida?

E quanta esperança em vão, de que nada vá mudar? Tudo muda à noite.

A noite inspira mais que o dia, pois é quando todos nos arrumamos e tentamos dar o melhor de si. Ou o pior de si. É quando nos entregamos por completo ou, em casos, quando colocamos nossas melhores máscaras.

A noite inspira poetas pois é nela que as pessoas depositam todas suas esperanças amorosas. A noite transpira amor.

Transpira desejo, também. Se pudéssemos extrair um pedaço da noite, veríamos que ela é constituída de todos os desejos do mundo, condensados.

À noite é quando sonhamos, acordados ou adormecidos.

Doce ou amarga, não importa. O importante é que tem sabor.

o homem que virou um rato

Dia desses, uma coisa das mais estranhas me aconteceu. Fui dormir com um homem, mas juro que, quando acordei, o que encontrei ao meu lado foi um rato.

Nada mais lembrava o homem que ele costumava ser. No lugar da pele, pelos cinzentos. O sorriso cativante tinha sido substituído por dentes amarelados e um bigode asqueroso. Mas não era isso o que mais me incomodava. Mais repugnante que o gigantesco rabo e toda aquela imundície, eram os olhos medrosos e assustados.

Será que ele tinha mudado durante a noite? Ou será que ele sempre tinha sido assim, e eu é que não havia percebido?